powered by Typeform

VC#12 Trilhas e cânions em Cambará do Sul

No episódio dessa semana, compartilhamos sobre nossa viagem em janeiro de 2020 para Cambará do Sul. Essa cidade no Rio Grande do Sul, abriga os maiores cânions da América do Sul e apresenta trilhas lindíssimas e bem cuidadas. Além disso, experimentamos queijos e geleias deliciosas.

Nós pretendíamos fazer a viagem de São Paulo para Cambará do Sul de carro, o que seria uma viagem de aproximadamente 13 horas. Mas no final de semana anterior à viagem, encontramos uma promoção no site da Gol e compramos nosso voo por lá. Na mesma ocasião, a Localiza estava com promoção, então alugamos um Jeep Renegade pelo preço de um carro comum com capacidade para duas malas grandes no porta malas.

Fizemos no primeiro dia a viagem Congonhas - Caxias do Sul, onde alugamos o carro e fomos para nosso AirBNB, o contêiner azul. No segundo dia, começamos pela Trilha do Mirante e, infelizmente, não conseguimos ver muita coisa devido à neblina. Fomos então para a Trilha do Tigre Preto, que foi uma delícia e terminava numa cachoeira. Enquanto estávamos na cachoeira sem enxergar onde começava a Trilha da Pedra do Segredo, um outro turista nos disse que se atravessássemos a cachoeira, poderíamos ver a entrada da trilha.

Após a travessia, vimos a trilha e esse mesmo turista nos ajudou a ver a pedra, que é uma rocha de 5 metros de altura e cerca de 30 toneladas, apoiada sobre uma base de apenas 50 cm. De lá retornamos para a Trilha do Rio do Tigre, onde avistamos uma plaquinha indicando uma tal de Trilha B. Essa trilha que aparentemente (fonte: Google Maps) se encontra com a Trilha do Mirante, foi o ponto alto do dia, pois o céu abriu e o sol apareceu imponente no céu. Dessa trilha B era possível ver a cachoeira e toda a extensão dos cânions. Passamos o resto do dia lá, aproveitando da beleza do Cânion Fortaleza.

No segundo dia, fomos para o cânion Itaimbezinho, onde curiosamente encontramos meu professor de Geografia do primeiro ano do Ensino Médio, o professor Sergio Sariba que estava em um "expedição" de moto durante 30 dias, almejando chegar à fronteira com o Uruguai - e compartilhando sobre sua viagem nas redes sociais. As trilhas do vértice e do cotovelo são bem leves, mas ambas tem surpresas para um observador atento. Na área de picnic da Trilha do Cotovelo, se você caminhar até as mesinhas mais ao fundo, vai encontrar uma descida que leva a uma bela queda d'água com um banquinho de tronco para se sentar.

Já no fim da trilha do vértice, há a Casa do Vô Marçal e da Vó Maria, os primeiros habitantes dos cânions, na época em que ainda não havia o parque nacional. Hoje eles vendem roupas de lã de carneiro e deliciosos pasteis de pinhão.

A trilha da parte baixa do cânion Itaimbezinho, chamada Trilha do Rio do Boi, não pode ser feita sem guia, por isso optamos por não fazer. Mas fica a dica de que é mais barato contratar o guia na cidade de entrada da trilha (Praia Grande - SC) do que em Cambará. Em Praia Grande, o guia cobra R$ 400,00 por grupo de até 12 pessoas, enquanto em Cambará os guias cobram R$ 300,00 por pessoa!

No terceiro dia, fizemos o Passo do S e o Passo da Ilha, duas travessias de carro por rios seguindo o caminhos dos tropeiros. Passeio super recomendado, adrenalina na certa! Começamos pelo Passo da Ilha, que nos deu mais confiança devido à super receptividade do senhor que estava no balcão do Camping Passo da Ilha que fica na parte inicial da travessia - e olhe que maravilha para mim que amo motorhomes, eles tem espaço reservado para esses veículos.

Mas enfim, o senhor nos explicou que a travessia para sair do camping e continuar a estrada era tranquila e assim continuamos em meio a porteiras e casas rurais até o Passo do S. Ao chegar no Passo do S, percebemos que a travessia exigiria mais esforço e eu, como nas outras travessias, desci e passei à pé. O trajeto é tranquilo, mas recomendo que alguém fora do carro avise sobre onde estão os buracos, caso o passeio seja feito sem o acompanhamento de um guia.

Nesse mesmo dia, retornamos para Caxias do Sul, onde dormiríamos para pegar o voo no dia seguinte. No último dia, algumas horas antes do voo, compramos algumas coisinhas na loja Landulã, que vende casacos de pele de carneiro.

Em resumo foi isso, se ficar com alguma dúvida, mande mensagem aí nos comentários.

Até a próxima e boas viagens!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

VC#13 Roadschool em tempos de homeschool

VC#32 Expatriada em Vancouver

VC#23 Trabalhando no Worldpackers e sendo Au Pair