powered by Typeform

VC#15 O que levar na mala para um intercâmbio?

Casaco de neve da Decathlon
Hoje eu queria compartilhar com vocês minhas dicas sobre o que levar na mala para um intercâmbio.

A primeira coisa que eu queria compartilhar é que como meus intercâmbio foram feitos antes da mudança de regras de despacho de bagagens, ocorrida no segundo semestre de 2019, eu tive direito a duas malas de 32kg porque meu voo partia do Brasil. Atualmente, a ANAC mudou as regras de bagagens, permitindo que as companhias aéreas cobrem pelo despacho.

Algumas companhias aéreas, no entanto, ainda mantém o despacho gratuito de bagagens de 32kg, segundo o site Viagem e Turismo da Revista Abril. São elas: Air Canada, Condor e Turkish. As demais companhias reduziram o peso para despacho e/ou a quantidade de bagagens.

Mas o que levar na mala? A primeira coisa que me vem a mente é: dois pares de chinelo! Sim, eu levei um par só quando fui para a Hungria e me arrependi muito. Ele arrebentou ainda no primeiro semestre e tive que pedir para um amigo - o Leo do 10º episódio do podcast - para me trazer um novo quando voltasse das férias que ele passou no Brasil.

Fora do Brasil só existem aqueles chinelos mais grosseiros, ou tipo papete - e se você encontrar havaianas, vai ser muito mais caro do que aqui.

Segundo item essencial: comida para o primeiro dia de viagem. No primeiro dia, você não sabe se ao chegar vai ter almoço/janta, se é feriado e os restaurantes estarão fechados, se você vai ter ânimo para sair. É sempre bom levar umas bolachas e algo básico para cozinhar, se onde você foi ficar tiver cozinha. Se você gosta de cozinhar, eu diria ainda para levar um liquidificador - que achei super difícil de achar na casa dos meus amigos quando morei fora da primeira vez - e outros utensílios de cozinha que você achar essencial e não encontrar nos sites de loja estrangeiros. Eu pesquisaria no site da IKEA e no site de supermercados como a rede Tesco ou o Carrefour.

Se você for para um país onde as temperaturas podem chegar a zero grau ou menos, eu recomendaria já levar daqui um casaco de neve. Eu tenho o meu da Decathlonquase 7 anos e ele continua firme e forte, mesmo depois de 2 anos aguentando o inverno da França e da Hungria. Escolha um bom casaco para levar daqui e deixe para comprar os demais fora do Brasil. Tanto as blusas de lã, quanto os casacos de lá são mais bem preparados para o inverno deles do que os nossos.

Bateria Externa Anker
Alguns itens que comprei durante o intercâmbio, foram muito úteis e vendem aqui no Brasil também, são minha bateria externa, da marca Anker que comprei pela Amazon e tem funcionado muito bem desde 2017 e meu mochilão. O modelo de mochila que comprei no Tesco, em 2014, foi o Trail 35 da Karrimor, que continua funcionando muito bem. Ele tem uma capa de chuva e quatro bolsos externos, sendo que o bolso inferior pode aberto para integrar a mochila. Essa mochila foi a que utilizei no mochilão de cerca de 20 dias que fiz passando por Viena, Veneza e Paris.

Esse foram os itens que se destacaram para mim! Mas além deles, temos o básico para arrumar a mala de viagem. Primeiro, é importante saber qual a temperatura média que estará no período que você vai viajar e como é o clima lá. Por exemplo, em Marselha na França, há 300 dias de sol no ano, sendo considerada a segunda cidade com mais sol da Europa, segundo o jornal Telegraph do Reino Unido. Isso não quer dizer que lá seja sempre quente, por causa dos ventos que vem dos Alpes, mas sim que um guarda-chuva não é algo muito necessário na mala. Menos ainda uma capa de chuva.

Mochila Karrimor 35L
Por isso, é importante saber o clima do local para onde você está viajando e levar roupas de acordo. Use a temperatura para ponderar quantas blusas e calças levar, dependendo do tamanho da sua mala e do seu guarda-roupa talvez até dê para levar todas!  Mas lembre que, por exemplo, as regatas podem ser levadas em menor quantidade, se você está indo para um lugar frio e talvez você precise de mais blusas de manda comprida no dia-a-dia.

Veja também o dress code do país e do local onde vai trabalhar/estudar. Por exemplo, quando estudei no PV Hungria, não era permitido usar tênis na sala de aula. Apenas no segundo semestre passou a ser permitido que usássemos sapatênis ou Vans. Além disso, na França as roupas esportivas não são consideradas "roupas de sair", então não é muito aconselhado levar uma mala só com esse estilo, visto que as circunstâncias lá podem te exigir roupas mais formais. Uma dica que achei boa quando fui para a Hungria foi a de levar um roupão, já que eu ia dividir o quarto com outras pessoas e os chuveiros ficavam em vários boxes no banheiro.

Cremes de cabelo e outros itens de beleza podem ser difíceis de encontrar fora do país - um exemplo foi minha saga para encontrar bons produtos para cabelos cacheados fora do Brasil. Eles basicamente não existem, que dirá dos cremes para pentear!

Outra coisa que você pode estranhar muito fora do Brasil é o café moído para usar na cafeteira. Não me acostumei com as marcas estrangeiras e acabava sempre comprando alguma marca brasileira (que era bem mais cara que as demais).

Leve também algo que só tem no Brasil para poder presentear seus amigos estrangeiros. Via de regra, meus amigos amavam paçoca, mas outros doces interessantes podem ser cocada, dadinho, pé-de-moleque e outros doces que temos aqui e tem um bom prazo de validade.

Uma forma de facilitar sua passagem nos aeroportos é colocar a carta de aceite da universidade/ escola com os dados do programa na sua mala. Eu sempre coloquei naqueles bolsos de zíper das malas, mas uma dica que a Malu deu no primeiro episódio desse podcast e achei muito boa foi a de colocar a carta dentro da mala de modo que ela seja a primeira coisa a ser vista se sua mala for aberta na alfândega.

Além disso, pode ser interessante comprar uma daquelas balanças de sacola, que vendem na loja de R$ 1,99, para pesar sua mala (achei na Amazon também! Está nesse link). Eu tenho uma balança portátil dela e, além de usar para pesar minha mala antes de ir para o aeroporto, eu carrego comigo na mala de mão para poder pesar os utensílios antes de voltar para casa e não ultrapassar o limite de peso.

Itens para não levar na viagem:

  • Livros - a menos que queria levar um na sua mala de mão, ou a escola onde vai estudar só permita o uso de dicionário em papel. Eu não levei muitos livros no intercâmbio, mas trouxe diversas apostilas de volta comigo e, de verdade, foram pouco utilizadas e ocuparam muito espaço. Era melhor ter comprado as apostilas online na época.
  • Muitas roupas de inverno - se você vai para um lugar mais frio do que onde você mora no Brasil, vale mais a pena comprar as roupas lá, como eu falei acima no post


Antes de despachar a mala, tranque-a com cadeado e, se possível, escolha um tipo de mala que tenha aquela trava de cadeado em cima. Ela evita que abram o zíper e depois passem o cadeado para fechá-la novamente. Também é bom comprar uma mala com aquelas rodinhas multidirecionais (que viram em qualquer direção). Elas são bem mais fáceis de carregar - falo por experiência própria, de quem já carregou mais de 70kg de mala pelo aeroporto sozinha.

Também guarde com você o comprovante com o peso da mala. Não sei se é verdade, mas já ouvi histórias de pessoas que tiveram suas malas abertas e provaram que haviam incluído mais coisas na bagagem por meio do comprovante de peso.

É isso por hoje! Até a próxima e boas viagens!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

VC#32 Expatriada em Vancouver

VC#25 Viajando para o Alabama

VC#23 Trabalhando no Worldpackers e sendo Au Pair